terça-feira, 27 de outubro de 2009


Sinto as súplicas silenciosas,
do meu corpo pedindo o teu
Os pensamentos que se soltam
São teus ,
os meus beijos;
meus desejos

Ah! este teu jeito de andar;
Esbanjando sensualidade
Quase como um deboche,
me deixa louca
Sou um fantoche pendurado aos cordéis da tua vontade

Sob o pêssego angelical das promessas
deslizei na suavidade de tuas palavras
para o abismo dos teus
cínicos propósitos
Não resisti ao ímpeto de tê-lo nos braços
Por isso, paguei o preço exorbitante
da minha credulidade

Ainda ouço as ultimas silabas das
ríspidas palavras que gritamos,
mesmo silenciosamente...
Naquela noite, nus perdemos pra sempre,
um do outro

Nenhum comentário:

Postar um comentário